Eu sou uma mulher do mar e o cais é a minha vida.

Sempre que um pedaço de mim parte mar afora sei que ele já nasceu sem me pertencer e embora não o tenha mais comigo sei que em algum lugar,por mais longe que seja eu estou pelo horizonte.

E também estou por aqui, e ali.

Tão perto como sal que sobra na pele sob o sol.

Tão longe, quanto o mais profundo dos oceanos, tão alta como as nuvens desta água evaporada que abraça sublime a atmosfera.

Não sinto falta, porque sou a própria ausência.

Eu sou una e sou múltipla.

Sou brasileira, a senhora SAUDADE.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *