Topo
  >  Pôr do Sol e Poesia   >  A Árvore Generosa

“Tive que aprender a ser árvore. Quando estou no estado de árvore, sinto a Terra, a Vida, o Tempo de outra maneira. ” Mia Couto. 

Recentemente, tomei conhecimento de uma obra infantil intitulada A Árvore Generosa.

Desperta a atenção a cultura referenciada no texto – Moçambique, África.

De acordo com o autor, Mia Couto, em Moçambique, não há fronteiras entre árvores e pessoas.

Há arvores que são humanas e sonham dentro dos nossos sonhos. Há pessoas que viram árvores.

Há árvores que são sagradas, nas sombras das quais se enterram os mortos. Contudo, o verbo correto não é enterrar, e sim, semear.

Há árvores que são igrejas, onde, debaixo de sua copa, conversamos com os antepassados.

A lembrança de um amigo foi inevitável, aquele que passou a vida a semear.

Transformei-o em árvore.

Seja sombra, seja igreja, seja altar, seja tempo, seja vida, seja acolhimento, Luiz Cesar Siqueira.

Semear amor, lembrança e saudade é o que posso hoje fazer.

Através de suas folhas, e suas raízes, serás lembrado.

E me transformo também em árvore.

Diretora da Ecos Turismo, formada em Administração de Empresas pela Newton Paiva BH. Pós Graduada em Turismo e Gestão Empresarial pela Universidade Católica de Brasília. Voceniana, Diamond, Practitioner. Viajante desde 20 dias de idade. Tem um diploma ainda da VASP, como tripulante mirim.

Poste um comentário